A Telefónica continua à procura de apoios para conseguir mudar a opinião da PT para que esta aceite a sua oferta de compra sobre a Vivo.


O mais recente pedido de ajuda feito pela operadora espanhola foi endereçado ao Crédit Suisse.
A notícia é avançada hoje pelo site espanhol 'Cotizalia', que citando fontes financeiras adianta que o presidente da Telefónica, César Alierta, terá pedido ajuda ao CEO do Crédit Suisse, Fernando Abril-Martorell, tendo em conta as boas relações que este responsável tem junto de alguns membros do conselho de administração da PT.
A escolha do Crédit Suisse não é casual. Recorde-se que Fernando Abril-Martorell foi administrador da PT entre 2001 e 2008, pelo que a Alierta pediu ao banco que actue como mediador juntos dos gestores da operadora liderada por Zeinal Bava. A somar a isto, o banco suíço é accionista da PR ao controlar 2% do capital.
Fontes próximas da Telefónica, citadas pelo site, asseguraram a existência de contactos com o Crédit Suisse, mas sublinham que ainda não foi assinado qualquer contrato relativo a essa operação.
O Crédit Suisse já comunicou aos seus clientes que não pode emitir recomendações nem atribuir preços-alvo às duas operadoras por se encontrar "restringido".
Apesar de vários accionistas da PT já terem demonstrado o apoio à rejeição da oferta de 5,7 mil milhões de euros sobre a Vivo, o presidente da Telefónica acredita que irá conseguir o apoio do fundo Brandes Investments (que detém 7,89% do capital), do Barclays (5,1%), do BlackRock (2,3%) e do Crédit Suisse (2%).




P.S. - Por muito que custe a alguns acreditar, NÂO, não estou a falar mal do Benfica