A troca de acusações entre José Sócrates e a estação de Queluz tiveram uma consequência imediata: o 'Jornal Nacional - 6.ª Feira' foi visto quase por 1,4 milhões de telespectadores

"Aquilo não é um telejornal, é uma caça ao homem, é "um telejornal travestido", feito de "ódio e de perseguição, disse José Sócrates, na entrevista à RTP1, na terça-feira à noite. O primeiro-ministro aproveitou a ocasião para exprimir a sua opinião sobre o Jornal Nacional - 6.ª Feira, da TVI, dirigido pela jornalista Manuela Moura Guedes e com os comentários de Vasco Pulido Valente.
Declarações suficientes para que a jornalista, nessa mesma noite, contactada pelo Diário de Notícias, tenha declarado que o iria processar. No dia seguinte, em directo e no arranque do Jornal Nacional, José Eduardo Moniz, director-geral da TVI, anunciou já ter avançado com um processo judicial contra o primeiro-ministro, acusando ainda José Sócrates de usar "processos de intimação de jornalistas". O responsável da estação de Queluz disse ainda ter ouvido com "surpresa" e "estupefacção" as palavras de José Sócrates na entrevista na RTP1. "Não sou cobarde, nem me escondo atrás de uma moita ou de um arbusto para fazer uma caça ao homem, usando um jornal travessado", relembrando ainda que "até hoje ninguém desmentiu" a informação do canal sobre o caso Freeport.
Depois destas trocas de acusações em directo, nas televisões, cresceu a expectativa em torno do que traria a edição seguinte do Jornal Nacional - 6.ª Feira. Apesar de o prato forte ter voltado a ser o caso Freeport, não houve revelações bombásticas.
Mas as audiências mostram que os portugueses estão muito curiosos em relação a este caso: o espaço informativo de Manuela Moura Guedes atingiu o máximo de audiência deste ano. Foi acompanhado por quase 1,4 milhões de telespectadores, conquistando um share de 40%, o maior deste o início do ano. Quer isto dizer que quatro em cada dez portugueses que estavam a ver a televisão, durante o espaço de tempo de emissão do Jornal Nacional, preferiram este programa. No entanto, esta não foi a mais alta audiência conseguida pela informação da TVI em horário nobre desde o início do ano. No dia 1 de Abril, uma quarta--feira, o Jornal Nacional ultrapassou mesmo a fasquia dos 1,4 milhões de espectadores.