Combustível de baixo custo da Galp é igual aos outros

Discussão em 'Economia e Finanças' iniciado por coxão, Novembro 10, 2010.

  1. coxão

    coxão Membro Li-ion

    Combustível de baixo custo da Galp é igual aos outros


    O ACP diz que o combustível vendido nas estações de serviço de baixo custo da Galp é igual ao vendido nos outros postos de abastecimento.
    "Os testes laboratoriais provam que o Automóvel Clube de Portugal (ACP) tem razão: os combustíveis vendidos no posto Galp Base, de Setúbal, têm aditivos, caindo por terra a justificação apresentada pela Galp (a ausência de aditivos) para a redução de preços", refere o ACP em comunicado hoje divulgado.
    A associação informa ainda que apresentou, na passada segunda feira, a contestação do processo judicial que a Galp intentou contra o ACP, e que anunciou no parlamento em Outubro passado, e adianta que se defende assim "deste ataque sem precedentes contra o seu papel na sociedade".
    Depois do anúncio da Galp de abrir um posto de gasolina de baixo custo em Setúbal, o ACP alertou para a existência de indícios de concertação no preço da venda de combustíveis ao público e denunciou, em Setembro passado, a situação à Comissão Europeia.
    Há pouco mais de três semanas, o presidente da Autoridade da Concorrência (AdC), Manuel Sebastião, foi ouvido sobre o mesmo assunto pela Comissão dos Assuntos Económicos e Energia, dizendo aos deputados que "a introdução dos vários segmentos dos combustíveis", com marcas brancas e produtos aditivados mais caros, "prova que o mercado está a funcionar e a concorrência também".
    Hoje o ACP, naquele comunicado, afirma que a AdC "podia e devia ter realizado" os testes de laboratório sobre os aditivos do combustível vendido pela Galp Base, assim como o levantamento de preços praticados nas lojas Galp que o ACP efetuou e que "provaram" que os preços praticados são mais caros do que os do mercado.
    O ACP acrescenta que, para produtos diferentes de combustíveis, como água, refrigerantes, cerveja, chocolate, bolachas, entre outros, "os preços da Galp Base são entre 70% e 100% mais caros do que os praticados no mercado em geral, o que desfaz a outra justificação apresentada pela Galp para a diferença de preços", baseada em menores custos por não ter loja no posto Galp Base.
    "O ACP espera que a Autoridade de Concorrência não ignore as evidências que resultam deste processo judicial e decida finalmente intervir de imediato no cumprimento dos seus deveres", afirma o clube.


    fonte: Diário económico.




    Ora aqui está uma noticia que toda as pessoas sabiam...
    Não vendem combustíveis mais baratos porque não querem :a058:
     
    Editado por um moderador: Novembro 10, 2010
  2. Numerico

    Numerico Staff Moderador Temático Membro Gold

    Combustível de baixo custo da Galp é igual aos outros.

    [​IMG]

    O ACP espera que a Autoridade de Concorrência não ignore as evidências que resultam deste processo judicial.

    O ACP diz que o combustível vendido nas estações de serviço de baixo custo da Galp é igual ao vendido nos outros postos de abastecimento.

    "Os testes laboratoriais provam que o Automóvel Clube de Portugal (ACP) tem razão: os combustíveis vendidos no posto Galp Base, de Setúbal, têm aditivos, caindo por terra a justificação apresentada pela Galp (a ausência de aditivos) para a redução de preços", refere o ACP em comunicado hoje divulgado.

    A associação informa ainda que apresentou, na passada segunda feira, a contestação do processo judicial que a Galp intentou contra o ACP, e que anunciou no parlamento em Outubro passado, e adianta que se defende assim "deste ataque sem precedentes contra o seu papel na sociedade".

    Depois do anúncio da Galp de abrir um posto de gasolina de baixo custo em Setúbal, o ACP alertou para a existência de indícios de concertação no preço da venda de combustíveis ao público e denunciou, em Setembro passado, a situação à Comissão Europeia.

    Há pouco mais de três semanas, o presidente da Autoridade da Concorrência (AdC), Manuel Sebastião, foi ouvido sobre o mesmo assunto pela Comissão dos Assuntos Económicos e Energia, dizendo aos deputados que "a introdução dos vários segmentos dos combustíveis", com marcas brancas e produtos aditivados mais caros, "prova que o mercado está a funcionar e a concorrência também".

    Hoje o ACP, naquele comunicado, afirma que a AdC "podia e devia ter realizado" os testes de laboratório sobre os aditivos do combustível vendido pela Galp Base, assim como o levantamento de preços praticados nas lojas Galp que o ACP efetuou e que "provaram" que os preços praticados são mais caros do que os do mercado.

    O ACP acrescenta que, para produtos diferentes de combustíveis, como água, refrigerantes, cerveja, chocolate, bolachas, entre outros, "os preços da Galp Base são entre 70% e 100% mais caros do que os praticados no mercado em geral, o que desfaz a outra justificação apresentada pela Galp para a diferença de preços", baseada em menores custos por não ter loja no posto Galp Base.

    "O ACP espera que a Autoridade de Concorrência não ignore as evidências que resultam deste processo judicial e decida finalmente intervir de imediato no cumprimento dos seus deveres", afirma o clube.



    Económico
     
  3. JuizDidi

    JuizDidi Staff Moderador Temático Membro Gold

    ACP: Combustíveis "low cost" da Galp "têm aditivos"

    ACP: Combustíveis "low cost" da Galp "têm aditivos"


    ACP fez testes aos combustíveis "low cost" da Galp Energia e concluiu, ao contrário do que foi dito pela petrolífera, que a gasolina e o gasóleo "têm aditivos".


    [​IMG]


    O Automóvel Clube de Portugal (ACP) tem estado em guerra com a Galp Energia, considerando injustificáveis os preços que a petrolífera cobra pelos combustíveis.

    Em Setembro, a empresa liderada por Ferreira de Oliveira lançou-se no mercado de combustíveis “low cost”, através da Galp Base. Com um único posto de abastecimento, em Setúbal, a Galp explicou que “os produtos comercializados neste posto são combustíveis não aditivados”.

    Contudo, o ACP “realizou testes em laboratórios internacionais que provam que os combustíveis vendidos no posto Galp Base, de Setúbal, têm aditivos, caindo por terra a justificação apresentada pela Galp (a ausência de aditivos) para a redução de preços”, revela um comunicado hoje emitido.

    Além destes testes, o ACP “fez um levantamento de preços praticados nas lojas Galp que provam que os preços praticados, para produtos diferentes de combustíveis (como água, refrigerantes, cerveja, chocolates, bolachas, etc…), são entre 70 e 100% mais caros que os praticados no mercado em geral, o que também desfaz a outra justificação apresentada pela GALP para a diferença de preços (menores custos por não existir loja no posto Galp Base)”.

    O ACP considera ainda que a Autoridade da Concorrência “podia e devia ter realizado os mesmos testes e levantamentos realizados pelo ACP” e espera que o regulador “decida finalmente intervir de imediato no cumprimento dos seus deveres.”




    in JNeg
     
  4. apra

    apra Membro Digital

    Boa notícia para quem compra combustíveis à Galp. O que não é o meu caso...
     
  5. Numerico

    Numerico Staff Moderador Temático Membro Gold

    Galp processa ACP.

    [​IMG]

    A Galp Energia decidiu interpor uma acção judicial contra o presidente do Automóvel Clube de Portugal (ACP) e contra a própria instituição. De acordo com a energética, em causa estão «posições tendenciosas» assumidas pelo ACP.

    «A Galp Energia confirma que interpôs uma acção judicial contra o Presidente do ACP e a própria instituição, dado que estes têm vindo a tomar posições tendenciosas que põem em causa a Galp Energia, lesando-a em termos de imagem e de bom nome, com consequências económicas negativas», informa a empresa, em comunicado emitido esta quarta-feira.

    Na origem da decisão de recorrer à Justiça esteve um comunicado do ACP, onde se garante que «os combustíveis vendidos no posto Galp Base, de Setúbal, têm aditivos, caindo por terra a justificação apresentada pela Galp (a ausência de aditivos) para a redução de preços».

    A Galp reitera que «os combustíveis comercializados sob a insígnia Galp Base num posto de abastecimento de Setúbal não têm qualquer aditivo» e diz que o comunicado do ACP «é mais um exemplo de que o ACP não fala a verdade».


    abola.pt
     
  6. JuizDidi

    JuizDidi Staff Moderador Temático Membro Gold

    Galp reitera qualidade dos seus combustíveis e põe ACP em tribunal

    Galp reitera qualidade dos seus combustíveis e põe ACP em tribunal


    Galp desmente informações do comunicado do ACP e avança com acção judicial contra aquela entidade.


    [​IMG]


    “A Galp Energia informa novamente os seus clientes e o público em geral que os combustíveis comercializados sob a insígnia Galp Base num posto de abastecimento de Setúbal não têm qualquer aditivo, tratando-se exactamente dos mesmos produtos que são disponibilizados a algumas cadeias de hipermercados, sendo obviamente diferentes daqueles que são disponibilizados na sua rede principal de postos de abastecimento”.

    É assim que a petrolífera responde ao comunicado emitido hoje pelo Automóvel Clube de Portugal (ACP), que diz que os combustíveis “low cost” da Galp têm aditivos.

    A empresa liderada por Ferreira de Oliveira (na foto) confirma ainda que interpôs uma acção judicial contra o presidente do ACP e a própria instituição, “dado que estes têm vindo a tomar posições tendenciosas que põem em causa a Galp Energia, lesando-a em termos de imagem e de bom nome, com consequências económicas negativas”.

    “A Galp Energia continua a ser lesada pela actuação do ACP, cujo comunicado de hoje é mais um exemplo de que o ACP não fala a verdade, como se pôde comprovar pelas declarações efectuadas pelo presidente do ACP no dia 14 de Outubro de 2010, a respeito de uma suposta investigação na Comissão Europeia contra a Galp Energia”, diz ainda o comunicado da petrolífera.

    Quer os serviços da Comissão Europeia quer o presidente da Autoridade da Concorrência já negaram a existência de qualquer investigação, acrescenta.

    “A Galp Energia garante aos seus clientes que a sua actuação no mercado é, e será sempre, pautada pelas melhores práticas comerciais, disponibilizando na sua rede de postos produtos da máxima qualidade, ao preço justo”, conclui o comunicado.




    in JNeg
     
  7. lovedream

    lovedream Retiro Espiritual

    Muito me vou rir com este caso...hehehehe
     
  8. JuizDidi

    JuizDidi Staff Moderador Temático Membro Gold

    Galp: Combustíveis 'low cost' não têm aditivos


    Energia

    Galp: Combustíveis 'low cost' não têm aditivos


    10/11/10

    A Galp respondeu em comunicado ao ACP, assegurando que o combustivel de baixo custo não é igual ao dos outros postos.

    A petrolífera liderada por Ferreira de Oliveira rejeitou hoje, em comunicado, as acusações do Automóvel Clube de Portugal (ACP), garantindo que os combustíveis que vende no posto ‘low cost' de Setúbal são diferentes dos comercializados na sua rede principal.
    "Os combustíveis comercializados sob a insígnia Galp Base num posto de abastecimento de Setúbal, não têm qualquer aditivo, tratando-se exactamente dos mesmos produtos que são disponibilizados a algumas cadeias de hipermercados, sendo obviamente diferentes daqueles que são disponibilizados na sua rede principal de postos de abastecimento", lê-se no documento enviado à imprensa.
    O esclarecimento surge depois de o ACP ter apontado hoje, também em comunicado, que "os combustíveis vendidos no posto Galp Base, de Setúbal, têm aditivos, caindo por terra a justificação apresentada pela Galp (a ausência de aditivos) para a redução dos preços".
    A associação garante ainda que foram realizados testes laboratoriais que provam a existência desses aditivos.
    Aquando do anúncio de que a Galp ia abrir um posto de abastecimento de baixo custo em Setúbal, o ACP alegou que existiria concertação no preço da venda de combustíveis ao público por parte da petrolífera e denunciou a situação à Comissão Europeia e à Autoridade da Concorrência.
    A Galp interpôs, entretanto, uma acção judicial contra o Presidente do ACP e a própria instituição, alegando que as afirmações da associação e do seu responsável a prejudicam "em termos de imagem e de bom nome, com consequências económicas negativas". O ACP adiantou hoje que apresentou a contestação a essa acção esta segunda-feira.
    A empresa liderada por Ferreira de Oliveira nega ainda que esteja a ser alvo de qualquer investigação por parte da Comissão Europeia, ao contrário do sugerido pelo Automóvel Clube de Portugal.




    in DE
     
LMPC