"Crescimento é uma gota de água no problema de Portugal"

Discussão em 'Economia e Finanças' iniciado por JuizDidi, Novembro 14, 2010.

  1. JuizDidi

    JuizDidi Staff Moderador Temático Membro Gold


    Campos e Cunha

    "Crescimento é uma gota de água no problema de Portugal"


    14/11/10

    O ex-ministro das Finanças aplaude últimos dados do PIB e crescimento das exportações.

    A evolução positiva do PIB no terceiro trimestre é uma boa notícia, que traz elementos de esperança para a economia nacional. Esta é a reacção de Luís Campos e Cunha, primeiro ministro das Finanças de José Sócrates e actual presidente da SEDES (Associação para o Desenvolvimento Económico e Social). Num comentário aos dados do INE, considera que as estimativas do crescimento económico podem levar a supor que, em 2011, "se houver uma recessão", ela será, diz, "uma recessão relativamente moderada".
    A economia portuguesa cresceu 0,4% no terceiro trimestre face aos três meses anteriores e 1,5% face ao período homólogo do ano passado. Este é um crescimento sustentável nos próximos trimestres?
    É natural que as medidas recentemente anunciadas, e algumas já tomadas, tenham algum efeito recessivo na economia. De qualquer forma, penso que as exportações estão a portar-se muito bem, são excelentes notícias para a economia portuguesa e significa também que, provavelmente, os mercados levarão isso em consideração. Estou muito satisfeito com estes resultados e isso pode levar a supor que, no próximo ano, se houver uma recessão, ela será uma recessão relativamente moderada. A haver, pois pode não haver.
    Estes dados revelam uma evolução superior aos dos principais parceiros comerciais da zona euro, mas ainda assim abaixo da média da União Europeia, cujo PIB melhorou 2,1%...
    Significa que o nosso sector exportador está a conseguir ganhar quota de mercado.
    O sector exportador vai continuar a ser o mecanismo de suporte do crescimento económico no próximo ano?
    Claro, sem dúvida.
    Face à estimativa do PIB no terceiro trimestre divulgada pelo INE, o Governo reviu em alta a previsão de crescimento para este ano, passando dos iniciais 0,7% para 1,6%. É demasiado optimista esta revisão?
    Quando saíram os últimos dados do Banco de Portugal [previsão de crescimento do PIB de 0,9% este ano e 0,2% em 2011], pareceu-me demasiado pessimista com todo o respeito que tenho pela capacidade técnica do Banco de Portugal. Com os novos dados, fico satisfeito. Mas não fico completamente surpreendido com este bom resultado. O que interessa é a evolução homóloga, que é muita boa. Quanto à nova revisão do Governo, considero possível. Certamente que o crescimento económico deste ano vai ser mais próximo de 1,6% do que 0,7%.
    Os mercados financeiros vão encarar estes números do INE como sinais encorajadores e de maior confiança na economia portuguesa?
    Sem dúvida.
    Ainda que persistam outros sinais menos positivos, como a evolução da dívida e do défice?
    A evolução do crescimento económico não resolve tudo. É apenas uma gota de água no oceano do problema que Portugal tem. Mas apesar de tudo são excelentes notícias.
    Trazem esperança face às dificuldades que a crise orçamental deverá implicar?
    Claro, se se trata de uma boa notícia, trazem elementos de esperança.
    Apesar do contributo positivo da procura externa líquida, sobretudo do aumento expressivo da exportação de bens e serviços, a procura interna que tinha tido um contributo positivo para a evolução do PIB no segundo trimestre, teve agora uma evolução negativa...
    Também são boas notícias, significa que os portugueses estão a poupar mais e que provavelmente o Estado também está a poupar mais, embora seja muito à custa de impostos.
    No quarto trimestre, a evolução negativa do consumo privado poder-se-á inverter com uma antecipação dos consumidores às novas medida de austeridade previstas para 2011?
    Obviamente que podem, mas não tenho nenhum modelo para poder afirmá-lo. Não sei.



    in DE
     
LMPC