Ferrostaal admite pagar para arquivar caso dos submarinos

Discussão em 'Economia e Finanças' iniciado por JuizDidi, Novembro 11, 2010.

  1. JuizDidi

    JuizDidi Staff Moderador Temático Membro Gold

    Negociar é a palavra de ordem

    Ferrostaal admite pagar para arquivar caso dos submarinos


    A empresa alemã que forneceu os novos submarinos portugueses quer uma solução negociada para arquivar o processo de corrupção de que é alvo em Portugal. E está disposta a pagar 4,8 milhões dos 121 milhões referentes às contrapartidas do investimento.

    A Ferrostaal, empresa alemã que construiu os novos submarinos portugueses, está disponível para negociar uma solução com o Estado português que resulte no arquivamento do processo de corrupção de que está acusada em Portugal. Na última sessão do Tribunal Central de Instrução Criminal, o grupo alemão deixou em aberto a possibilidade de pagar 4,8 milhões de euros dos 121 milhões relativos à caução das contrapartidas dos submarinos, noticia o “Público”.

    No âmbito da compra de dois submarinos, a Ferrostaal comprometeu-se a promover uma série de investimento em Portugal. Caso contrário, ficaria obrigada a pagar uma caução de 121 milhões de euros. Em 2003, a empresa foi dispensada de pagar aquele valor, já que, na altura apresentou documentos que, alegadamente, diziam respeito aos projectos a desenvolver no âmbito do programa de contrapartidas.

    No entanto, uma investigação levada a cabo pelo Ministério Público concluiu que aqueles investimentos não existiam e, por isso, reclama que a Ferrostaal pague 34 milhões de euros por danos causados ao Estado português, tendo acusado três gestores do grupo de corrupção e falsificação de documentos. Agora, os advogados da empresa alemã admitem devolver parte do dinheiro.

    A disponibilidade para negociar tem sido a posição assumida pela Ferrostaal nos vários processos de suborno de que tem sido alvo em todo o mundo. A imprensa alemã acaba de noticiar que o grupo está prestes a fechar um acordo de pagamento de uma multa de 200 milhões de euros, no âmbito de uma investigação do Ministério Público de Munique relacionada com o pagamento de subornos na venda de submarinos à Grécia e navios e equipamentos para centrais eléctricas para a América do Sul e África.

    Há ainda vários outros casos em que a empresa que opera no fornecimento de equipamento naval, automóveis, equipamentos e contrapartidas de grandes obras públicas é acusa de suborno e corrupção. O IPIC, fundo de investimento de Abu Dabi, recorreu a um tribunal arbitral exigindo uma compensação pelo facto de não conhecer a dimensão dos escândalos que ia enfrentar quando comprou 70% da Ferrostaal.



    in JNeg
     
Engisat