FMI vê défice português em 5,2% no próximo ano

Discussão em 'Economia e Finanças' iniciado por JuizDidi, Novembro 5, 2010.

  1. JuizDidi

    JuizDidi Staff Moderador Temático Membro Gold


    Análise

    FMI vê défice português em 5,2% no próximo ano

    05/11/10

    As estimativas do organismo internacional apontam para um défice orçamental de 5,8% e uma dívida pública de 97,8% do PIB em 2015.

    O relatório "Fiscal Monitor", do Fundo Monetário Internacional (FMI), divulgado ontem, revela que os receios dos investidores em redor das contas públicas de alguns países europeus reemergiram recentemente sem que isso tenha sido justificado pela debilidade da saúde financeira de alguns desses países.
    É o caso da Grécia e de Portugal "que apesar de o ‘outlook' orçamental ter melhorado a um ritmo mais elevado que o esperado" continuam a verificar uma subida da ‘yield' das suas obrigações do Tesouro.
    Além disso, o organismo internacional salienta o facto de Portugal "ter complementado o seu plano de despesa com medidas substantivas ao nível da receita, tais como o aumento do IVA, uma vez que caso [o orçamento] dependesse exclusivamente de cortes dos gastos teria sido um grande desafio, dada a dimensão do ajuste."

    Dívida pública e défice orçamental

    "Os défices estão a cair em vários países, particularmente nos países emergentes porque as condições económicas estão a melhorar. Mas, no geral, 2010 continua a ser caracterizado por um estilo de apoio da política fiscal. Contudo, 2011 será diferente. Apenas para uma mão cheia de países irá registar-se um aumento do défice. Para 90% dos países, projectamos uma redução do défice", estimam os especialistas do FMI.
    Não será o caso de Portugal que, segundo o organismo internacional, deverá registar uma subida do défice de 5,2% do PIB em 2011 (acima dos 4,6% estimados pelo Governo) para 5,8% dentro de cinco anos, o mesmo que a Irlanda em 2015.
    Ao nível da despesa orçamental, o FMI coloca Portugal no grupo dos países com um nível de "défice médio" (economias que comportam um défice orçamental entre 5% e 10% face ao seu PIB). Neste grupo figuram países como França, Itália, Canadá e Turquia.
    No bloco das nações com os mais elevados défices, com défice superiores a 10% do PIB estão a Irlanda, Japão, Espanha, Reino Unido, Grécia, Índia e EUA.
    "Para a maioria dos países desenvolvidos o rácio da dívida pública pelo PIB continuará a aumentar em 2011 - e continuará aumentar até para aqueles países onde o nível desse rácio está acima da média", lê-se no relatório.
    É neste quadro que se enquadra Portugal, que segundo as estimativas do FMI, entre 2010 e 2015 deverá passar de uma dívida pública de 83,1% do PIB para 97,8% da riqueza do país.
    O FMI avança ainda com a estimativa de que Portugal necessita ainda de realizar ajustes fiscais de 6,7% entre 2010 e 2020 para conseguir atingir uma dívida pública líquida de 45% do PIB, média registada pelo grupo dos 20 países mais ricos do mundo antes da crise.

    Emissões de dívida em 2011

    Os técnicos do FMI perspectivam que, apesar de "a necessidade de financiamento médio bruto das economias avançadas já ser elevada, deverá aumentar ligeiramente em 2011." Este será também um cenário com que Portugal se deverá deparar no próximo ano, alerta.
    De acordo com as projecções da Bloomberg de Janeiro, referentes ao vencimento da dívida soberana de curto e longo prazo, e com as projecções do relatório "World Economic Outlook" do FMI de Outubro de 2010, os especialistas do organismo internacional avançam que, em 2011, o montante de dívida nacional que irá vencer atingirá os 15,5% do PIB.
    Além disso, antecipam que o IGCP, entidade responsável pela gestão da tesouraria e da dívida pública directa do Estado, irá financiar-se no mercado em cerca de 20,7% do PIB, mais 1,8 pontos percentuais que o realizado este ano.
    O montante de financiamento relativo de Portugal compara com os 23,8% do PIB da Grécia, 22,5% da Itália, 17,9% da Irlanda e da Espanha.



    in DE
     
LMPC