Juros da dívida caem após acordo para o OE 2011

Discussão em 'Economia e Finanças' iniciado por JuizDidi, Novembro 1, 2010.

  1. JuizDidi

    JuizDidi Staff Moderador Temático Membro Gold

    Juros da dívida caem após acordo para o OE 2011


    Os juros da dívida pública portuguesa estão a descer, a reflectir o acordo entre o PS e o PSD. A queda está, no entanto, a ser limitada pelo maior apetite dos investidores pelo risco.


    [​IMG]


    O facto de o PSD já ter anunciado que vai abster-se na votação do OE 2011 – o que permitirá ao Governo cumprir com a meta de redução do défice para o próximo ano – está a contribuir para reduzir a pressão sobre a dívida soberana de Portugal. A queda dos juros é, no entanto, reduzida.

    A "yield" das obrigações do Tesouro a 10 anos está nos 5,932%, a descer ligeiros dois pontos base. Este comportamento é idêntico ao que está a ser apresentado por outros países, nomeadamente a Alemanha.

    Ainda assim, o prémio de risco que os investidores exigem a Portugal face à maior economia da Europa está a aumentar, dado que os juros da dívida alemã estão a cair mais do que a portuguesa. As “bunds” seguem a perder 5,1 pontos, para 2,467%.

    A limitar a descida dos juros da dívida portuguesa está o facto de muitos investidores estarem a revelar maior apetite pelo risco, ao investirem nos mercados accionistas.

    A bolsa nacional está hoje a liderar os ganhos na Europa, numa sessão em que todo o Velho Continente segue a negociar no "verde".



    in JNeg
     
    reves gosta disto.
  2. JuizDidi

    JuizDidi Staff Moderador Temático Membro Gold

    Risco de Portugal cai para 5,86% após acordo no OE


    Dívida

    Risco de Portugal cai para 5,86% após acordo no OE


    01/11/10

    A percepção de risco da parte dos investidores em relação a Portugal está a baixar, após Governo e PSD terem chegado a acordo.

    Já passava das 23h quando Governo e PSD chegaram a entendimento sobre a proposta de Orçamento do Estado para o próximo ano na sexta-feira. O acordo está a fazer descer o juro das Obrigações do Tesouro a 10 anos até aos 5,86%, contra os 5,95% registados no fecho de sexta-feira. E, no mesmo sentido, o diferencial entre as OT a 10 portuguesas e as 'bunds' alemãs com a mesma maturidade, indicador conhecido por 'spread', descia oito pontos base para 335,2 pontos.
    "O acordo português deve suportar as obrigações portuguesas", disse David Schnautz, estratega do Commerzbank, à Bloomberg. O mesmo perito notou, contudo, que "o risco deve permanecer elevado esta semana".
    Um outro indicador de risco, o preço dos 'credit-default swaps' (CDS) sobre Obrigações do Tesouro a 5 anos descia 2,6 pontos para 375 pontos, o que significa que por cada 10 milhões de euros aplicados em dívida pública portuguesa, os investidores têm de pagar um seguro anual de 375 mil euros.
    Mas o dia de hoje também está a ser de descidas no que respeita os indicadores de risco de outros países 'problemáticos' como a Irlanda e a Grécia. O preço dos CDS gregos sobre obrigações a cinco anos desciam 12 pontos, a queda mais expressiva no mundo, enquanto os irlandeses seguiam com um recuo mais ligeiro de 1,1 pontos.



    in DE
     
    reves gosta disto.
  3. JuizDidi

    JuizDidi Staff Moderador Temático Membro Gold

    Juros da dívida invertem tendência e superam fasquia dos 6%

    Juros da dívida invertem tendência e superam fasquia dos 6%


    Portugal acompanha Irlanda e Grécia, aumentando o diferencial dos juros face à Alemanha.


    [​IMG]


    Os juros exigidos pelos investidores para emprestarem dinheiro a Portugal voltaram a agravar-se. Inverteram a tendência, seguindo as “yields” das obrigações de outros países da periferia da Zona Euro, e aumentando assim o prémio de risco face aos títulos de dívida da Alemanha.

    A taxa das obrigações do Tesouro, a 10 anos, chegou a descer mais de dois pontos base no arranque da sessão, beneficiando do facto do Governo e o PSD terem chegado a um acordo que permitirá a aprovação da proposta do Orçamento do Estado para 2011 no Parlamento. A votação será na quarta-feira.

    Contudo, a tendência inverteu-se. Os juros da dívida de Portugal voltaram a subir, aumentado em oito pontos base, para voltarem a negociar acima da fasquia dos 6%. A taxa está nos 6,034%, acompanhando o movimento dos restantes países da periferia da Zona Euro.

    Os juros da dívida da Irlanda e da Grécia seguem também em alta, contrariando a movimentação positiva das “yields” das obrigações da Alemanha. A taxa das “bunds” recua seis pontos base, para 2,459%, situando-se agora o diferencial dos juros da dívida de Portugal face à alemã em 357 pontos base.

    A subida das “yields” está a ser acompanhada por um aumento da percepção de risco sobre o País. Os “credit default swaps” (CDS), instrumentos financeiros que permitem aos investidores protegerem-se do incumprimento do emitente, neste caso de Portugal, estão a subir mais de quatro pontos, para 337,2 pontos base.



    in JNeg
     
DreamPortugal