Porque insultamos alemães e franceses?

Discussão em 'Economia e Finanças' iniciado por JuizDidi, Novembro 12, 2010.

  1. JuizDidi

    JuizDidi Staff Moderador Temático Membro Gold

    Porque insultamos alemães e franceses?

    Camilo Lourenço


    Anda meio mundo a insultar alemães e franceses por causa da proposta de obrigar os investidores a suportar os custos de uma reestruturação.

    Faz sentido? Não. A situação actual, de salvar os países em dificuldades (v.g. Grécia), é perversa: como os mercados sabem que o 'bailout' é garantido, não se preocupam com o risco. Se ocorrer um default, sabem que alguém estará lá para suportar os custos do salvamento.
    Sejamos honestos: se alemães e franceses estivessem no nosso lugar (gastando para além das suas capacidades), aceitaríamos pagar o seu 'bailout' sem protestar? É óbvio que não.

    Dito isto, importa analisar a proposta. Ela é perfeita? Não. Desde logo porque não se conhecem todos os contornos (Teixeira dos Santos tem razão quando pede a sua clarificação). A proposta foi divulgada ao bom estilo da senhora Merkel, uma azelha em questões financeiras: de forma apressada… e incompleta. Coisa que os mercados odeiam.

    A proposta faz sentido? Faz. Desde que a regra se aplique a todos e não possa ser suspensa. Recorde-se que no início desta década foram alemães e franceses que afastaram, em benefício próprio, as penalizações do Pacto de Estabilidade e Crescimento, para a violação do limite de 3% do défice orçamental.

    Havia alternativas? Havia. Bastava que a União levasse a sério a ideia de federalismo, criando um Tesouro europeu: instituição independente dos governos nacionais, com mandato para fiscalizar as finanças nacionais e obrigar (sob pena de sanções) a correcções. Mas isso ninguém quer fazer. Com o argumento da soberania fiscal. Como se existisse alguma soberania nas condições actuais.



    in JNeg
     
SatLine 24