Taxas Euribor - Notícias de 09/11/2010

Discussão em 'Economia e Finanças' iniciado por JuizDidi, Novembro 9, 2010.

  1. JuizDidi

    JuizDidi Staff Moderador Temático Membro Gold


    Juros

    Euribor a três meses cai pela primeira vez em 33 sessões


    09/11/10

    As taxas europeias moveram-se hoje em direcções opostas. A maturidade mais curta foi a única que desceu.

    A Euribor a três meses, que serve sobretudo de referência nos empréstimos às empresas, deslizou para 1,049%, a primeira queda desde 23 de Setembro.
    Já a taxa a seis meses, a mais usada no cálculo de juros do crédito à habitação, ficou nos 1,274% pelo segundo dia, ao passo que o prazo a 12 meses avançou para 1,546%. Em ambos os casos, este é o valor máximo do indexante em 16 meses.
    As Euribor seguem habitualmente a taxa de juro de referência do BCE e influenciam directamente a prestação da casa e os empréstimos cedidos pelos bancos às empresas.
    Os Governadores do BCE decidiram na semana passada não mexer no preço do dinheiro na zona euro, deixando a sua principal taxa no mínimo recorde de 1%, onde permanece desde Maio de 2009.



    in DE
     
  2. JuizDidi

    JuizDidi Staff Moderador Temático Membro Gold

    Euribor inalteradas na maioria dos prazos

    Euribor inalteradas na maioria dos prazos


    As taxas Euribor mantiveram-se hoje inalteradas na maioria dos prazos, com o indexante a três meses a recuar, enquanto a taxa a 12 meses foi a única a subir.


    [​IMG]


    Depois de três sessões inalterada em 1,050%, a taxa a três meses deslizou para 1,049%, uma tendência contrária à registada pelas Euribor nos últimos meses.

    Além do indexante a três meses, apenas a taxa a 12 meses mexeu, ao avançar para 1,546%.

    A Euribor a seis meses, o indexante mais utilizado pelos portugueses nos seus créditos à habitação, permaneceu inalterada em 1,274%.

    As taxas Euribor têm vindo a subir, num movimento de normalização do mercado de crédito interbancário. Estas taxas consistem no preço que os bancos cobram para se financiarem uns aos outros e o mercado tem vindo a regressar a níveis que reflectem menores receios relativos à crise orçamental europeia, depois de o Banco Central Europeu (BCE) ter sinalizado a retirada de algumas medidas de estímulo à economia.

    As taxas encontraram-se excepcionalmente baixas num período em que o BCE assegurou a totalidade das necessidades de crédito dos bancos da Zona Euro, para evitar que a crise orçamental tivesse um impacto maior na economia da região.

    Os bancos começam agora a financiar-se directamente no mercado, antecipando a retirada das linha de crédito do BCE, o que é reflectido nas taxas Euribor.




    in JNeg
     
Génio Digital