Taxas Euribor - Notícias de 10/11/2010

Discussão em 'Economia e Finanças' iniciado por JuizDidi, Novembro 10, 2010.

  1. JuizDidi

    JuizDidi Staff Moderador Temático Membro Gold

    Euribor a três meses cai pelo segundo dia consecutivo


    Os indexantes mais usados nos empréstimos à habitação estão a aliviar das subidas recentes, numa altura em que se prevê que o BCE só altere o preço do dinheiro no final de 2011.


    [​IMG]


    A Euribor a três meses desceu para 1,048%, o que corresponde à segunda queda consecutiva, algo que já não acontecia desde 15 de Setembro.

    A taxa a seis meses estabilizou nos 1,274%, e a Euribor a 12 meses estabilizou nos 1,546%.

    As taxas Euribor têm vindo a subir, a reflectir uma normalização dos mercados financeiros, depois da crise que abalou o sector e que foi despoletada pela crise do “subprime” nos EUA e pela falência do Lehman Brothers.

    Recentemente, estas taxas têm recuperado, a reflectir a normalização, já que além de serem indexantes nos empréstimos são também taxas interbancárias. Ou seja, são os juros que os bancos cobram entre si para se financiarem.

    Além desta normalização, as Euribor têm-se aproximado da taxa directora, que se encontra no mínimo histórico de 1%, desde Maio de 2009, e superaram esta fasquia para começarem a descontar o próximo movimento do Banco Central Europeu (BCE), que se espera ser de subida dos juros.

    Contudo, os economistas acreditam que a autoridade monetária só deverá subir o preço do dinheiro no final do próximo ano, o que fará com que as taxas Euribor oscilem entre ganhos e perdas nos próximos meses, sem se afastarem muito da taxa directora.




    in JNeg
     
  2. JuizDidi

    JuizDidi Staff Moderador Temático Membro Gold

    Euribor a três meses é a única que cai


    Juros

    Euribor a três meses é a única que cai

    10/11/10

    A maturidade mais curta desceu hoje pela segunda sessão consecutiva, enquanto as taxas a seis e 12 meses ficaram inalteradas.

    A Euribor a três meses, que serve sobretudo de referência nos empréstimos às empresas, deslizou para 1,048% na segunda sessão consecutiva de quedas, colocando um ponto final num ciclo positivo que durava desde 23 de Setembro.
    Já a taxa a seis meses, a mais usada no cálculo de juros do crédito à habitação, ficou nos 1,274% pelo terceiro dia, enquanto o prazo a 12 meses estabilizou nos 1,546%. Em ambos os casos, este é o valor mais elevado do indexante em 16 meses.




    in DE
     
SatLine 24