TMN fica para trás na corrida à terceira rede móvel

Discussão em 'Economia e Finanças' iniciado por JuizDidi, Novembro 8, 2010.

  1. JuizDidi

    JuizDidi Staff Moderador Temático Membro Gold


    Moçambique

    TMN fica para trás na corrida à terceira rede móvel

    Económico com Lusa
    08/11/10

    A Movitel venceu o concurso para a terceira licença móvel em Moçambique, deixando para trás a Unitel e a TMN.

    A Movitel, um consórcio detido pela empresa vietnamita Movitel e a SPI, uma ‘holding' da FRELIMO, actualmente no poder, vai operar a terceira licença de rede móvel no mercado moçambicano.
    Neste concurso participaram ainda outros dois consórcios, o primeiro, a
    Uni-Telecomunicações, detido pela angola UNITEL e o grupo moçambicano INSITEC, e o segundo detido pelas empresa portuguesas TMN (do grupo PT) e a Visabeira.
    Moçambique tem actualmente duas operadoras de rede móvel, a mCel, que é controlada pela estatal Telecomunicações de Moçambique, e a Vodacom, detida pelo grupo britânico Vodafone.



    in DE
     
  2. JuizDidi

    JuizDidi Staff Moderador Temático Membro Gold

    PT perde concurso móvel em Moçambique para vietnamitas


    Telecomunicações

    PT perde concurso móvel em Moçambique para vietnamitas


    09/11/10

    PT não desiste de crescer e prepara investimentos em vários países africanos.

    A Portugal Telecom (PT) perdeu o concurso para a atribuição da terceira licença móvel em Moçambique. O vencedor foi o consórcio Movitel, formado pela operadora vietnamita Viettel e pela empresa moçambicana SPI, considerada próxima da Frelimo, o partido do poder em Moçambique.
    Ao que o Diário Económico apurou, a Movitel levou a melhor face às outras concorrentes - a PT e a angolana Unitel - com uma proposta de investimento de 435 milhões de dólares (311 milhões de euros) em cinco anos. Este valor representa cerca do dobro do investimento previsto tanto na proposta da PT como na da Unitel, da empresária angolana Isabel dos Santos.
    Mas apesar da derrota no concurso, a PT não pretende desistir de Moçambique. A operadora liderada por Zeinal Bava aponta agora baterias à privatização parcial da operadora moçambicana mCel, a maior daquele país africano lusófono. Esta privatização deverá avançar em breve, dando à PT a oportunidade de investir numa operadora já existente. Ao contrário da Movitel, que terá de começar do zero, a mCel é líder com 70% do mercado, face a 30% da Vodacom.



    in DE
     
Génio Digital