Trichet deixa juros no mínimo recorde de 1%

Discussão em 'Economia e Finanças' iniciado por JuizDidi, Novembro 4, 2010.

  1. JuizDidi

    JuizDidi Staff Moderador Temático Membro Gold


    BCE

    Juros na zona euro devem ficar hoje em 1%

    Económico com Lusa
    04/11/10

    O BCE deve manter hoje a sua taxa de referência 1% pelo 18.º mês consecutivo, adiando quaisquer alterações para 2011.

    Os economistas contactados pela Lusa consideram que as incertezas quanto ao crescimento das economias da zona euro e o facto de a inflação ainda estar longo dos dois por cento definidos pelo banco central devem levar a instituição liderada por Jean-Claude Trichet a manter inalterado o valor do dinheiro no nível mais baixo desde a criação da união monetária, em 1999.
    O anúncio deverá ser feito ao início da tarde, após a reunião do Conselho de Governadores do Banco Central Europeu (BCE), que acontece hoje em Frankfurt, na Alemanha.
    Na conferência de imprensa que se segue à reunião, Trichet também não deverá dar quaisquer novidades quanto ao prolongamento das medidas de financiamento ao sistema financeiro que, para já, se estendem até Dezembro.
    A revisão em alta das taxas de juro só deverá acontecer, segundo os economistas, no segundo semestre de 2011, já que mesmo os países que estão a conseguir a superar a crise tomaram medidas restritivas que podem vir limitar o crescimento em 2011.



    in DE
     
  2. JuizDidi

    JuizDidi Staff Moderador Temático Membro Gold


    BCE

    Trichet deixa juros no mínimo recorde de 1%

    04/11/10

    Tal como previsto, o Banco Central Europeu (BCE) optou por não mexer no preço do dinheiro na zona euro pelo 18º mês consecutivo.

    Na reunião de hoje de política monetária, os governadores do BCE optaram de novo por não mexer nos juros, deixando a sua principal taxa no mínimo histórico de 1%, onde permanece desde Maio de 2009.
    O mercado aguarda agora pelo habitual 'briefing' do presidente da instituição Jean-Claude Trichet, às 13h30.
    No seguimento da divulgação da decisão do BCE, o euro avançava 0,78% para 1,4249 dólares, enquanto os principais mercado europeus registavam ganhos em torno de 2%.



    in DE
     
  3. JuizDidi

    JuizDidi Staff Moderador Temático Membro Gold

    BCE mantém taxa de juro em 1% pelo 18º mês

    BCE mantém taxa de juro em 1% pelo 18º mês


    A taxa de juro de referência para a Zona Euro foi mantida, pelo 18º mês consecutivo, no mínimo histórico de 1%. O mercado aguarda agora a conferência de imprensa, que vai começar às 13h30 e que poderá ser acompanhada em directo.


    [​IMG]


    O Banco Central Europeu (BCE) esteve hoje reunido e decidiu não alterar a taxa de juro, algo que já era esperado pelos economistas.

    A autoridade monetária, liderada por Jean-Claude Trichet, deverá anunciar ainda hoje a manutenção do programa de compra de activos. Algo que deverá ser indicado durante a conferência de imprensa, que poderá ser acompanhada em directo.

    Ainda hoje, o Banco de Inglaterra, liderado por Mervyn King, decidiu manter o preço do dinheiro inalterado no mínimo histórico de 0,5%, bem como o programa de compra de obrigações no montante de 200 mil milhões de libras.

    Do outro lado do Atlântico, a Reserva Federal (Fed) dos EUA aprovou a compra de mais 600 mil milhões de dólares em activos e o reinvestimento de até 300 mil milhões de dólares até Junho. Uma medida que tem como objectivo ajudar a recuperar a economia.




    in JNeg
     
  4. JuizDidi

    JuizDidi Staff Moderador Temático Membro Gold

    Trichet mantém juros mas vai retirar apoios


    BCE

    Trichet mantém juros mas vai retirar apoios


    05/11/10

    O euro atingiu máximos de 10 meses, dificultando as exportações da zona euro.

    O Banco Central Europeu deixou ontem inalterada a taxa de juro directora em 1%, mas sinalizou que deverá manter o mesmo calendário de retirada dos apoios extraordinários à liquidez da zona euro. A indicação de Jean-Claude Trichet surgiu um dia depois de Ben Bernanke, presidente da Reserva Federal norte-americana, ter intensificado as ajudas ao crescimento económico dos EUA, atirando o euro para um máximo de 10 meses.
    O crescimento periclitante dos Estados Unidos já fez Ben Bernanke agir, lançando um novo programa de compra de obrigações do Tesouro, no valor de 600 mil milhões de dólares, o equivalente a 422,5 mil milhões de euros. A Fed explicou que teve de agir porque o seu "progresso" nos objectivos de pleno emprego e de estabilidade de preços - os dois mandatos que lhe foram atribuídos - têm sido "desapontantes pela sua lentidão". "É uma boa medida, porque a inflação está muito baixa e a economia corre o risco de entrar em deflação", comentou ontem Olivier Blanchard, conselheiro e director do departamento de research do FMI.
    Mas na Europa, o presidente do BCE deverá manter o rumo inalterado. "As medidas extraordinárias são por definição temporárias na sua natureza", disse Trichet, depois de mais uma reunião mensal para decidir a política de juros.



    in DE
     
LMPC